quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Feliz Ano Novo


Que seja 2010 de muitas caminhadas, alegrias e conquistas...
Que seja mais um ano de bons anos que aqui virão...
Venha depressa mais demore para passar... O bom ano... Novo... Que acaba de anuciar...
Chegue bem cedinho para mais um dia recomeçar... Outra vez, agora, já...
Seja novo o ano que está prestes a chegar...
Começa logo para curtir o final do verão... Comece tudo de novo o bom ano... Novo... De novo... Que venha 2010, 2011,2012... E o novo recomece mais uma vez... Que seja tudo novo, ou quem venha reinventado, reciclado tanto faz.... Mas que seja novo o ano de 2010...
Feliz 2010 para todos vocês!!!

Texto: Soraia Monteiro.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

PEITOS...

Peitos que alimenta o filho...
Peito que peita o mundo...
Peito de mulher sensual e feminino...
Peito de mamilos claros, escuros, duros...
Peitos fetiche masculino...
Antes era bunda... Hoje o peito...
Ganhou espaço... Virou celebridade da vez...
Peitos serenos, sedosos, suculentos...
Peitos de menina, mulher... Juvenis... Já peito de menino... É angelical e franzino...
Peito de homem é diferente... Ganha formas que a mulher gosta...
São peitos fortes cabeludos viris... Musculosos...
Peitos amostra... Peitos para fora...
Peito para ter peito para enfrentar a vida...
Peitos que se atraem e se distraem... Peito para dizer sim e o não no momento exato...
Peitos que consolam... Peito de amigo, mulher e irmão... Peito de mãe... Peito que nutre a vida... Peito que cai com a gravidade... Peito lindo por ser peito... Peito de frango, de galinha e de peru...
Formas traduzidas na própria geografia.... Viva o morro dos irmãos! Olha que forma sinuosa... Olha que peito empinadinho! Vendo o mundo pela primeira vez... Os primeiros passos da menina moça... Peito que se desabrocha a cada mês... Ao peito tenho muito respeito por quem tem peito para pegar o último trem.

pOESIA: SorAiA mONteiRo

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Entre TANTOS...

Sou mais uma na multidão... Mais uma entre milhões...
Mais uma entre tantos pés descalços... Pés que caminham sem direção...
Sou mais do que somente isso que é carne... Que é osso...
Sou uma voz... Transpiração... Suor que escorre no rosto...
Cheiro, pele, tesão... Entre tantos que tampouco consigo enxergar o outro...
Apesar do outro caminhar pela mesma rua... Dobrar a mesma esquina...
Há distâncias entre nós... Pergunto eu:- O que fazes aqui nesta mesma rua? O outro responde: - Sempre caminhei por ela todos os dias... Às vezos o vejo...
Contudo, há distâncias entre nós, por isso você nunca me vê!!! Cabisbaixa... Olho para o lado, esfrego os olhos... Embaçada visão começo a vê : RASTROS DE GENTE, sentir CHEIRO DE GENTE, escutar VOZES DE GENTE...

Texto: Soraia Monteiro.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

"Cínico é aquele que conhece o preço de tudo e o valor de nada. O cinismo se disfarça de realismo; e assim se desprestigia a democracia".

OscaR wILDE

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Virtuais realidades

Então me diz... Por onde recomeço...
Onde está o início e onde fica o fim... Mais depressa... Mais adiante? Estou com pressa... Não sei de quê... Mas quero chegar logo... Só não sei onde e quando... Quero chegar... Não importa quem esteja nos nossos caminhos sempre estamos com pressa... E que nos fazes sermos tão ansiosos... Tão efêmeros? Distantes... E tão próximos virtualmente?
Criados, criaturas imperfeitas... Mostra-se o melhor numa tela de um computador...
Cria-se novas realidades e se esquece do tato, do afago, do cheiro...
O verdadeiro contato... Não renego nem desconsidero os contatos virtuais cada vez mais reais e instantâneos... Só almejo um olho no olho...
Um soar de uma palavra e um calor um humano...
Um contato pele a pele... Mesmo que muitas vezes as intimidades virtuais sejam mais intensas... Sinto necessidade do toque, de uma risada bem espontânea... Sentar numa esquina e as conversas fluirem até o sol raiar... Ver pessoas...
Não quero câmera, luzes, ação... Quero gente para poder abraçar e só isso... Não quero ter que digitar o que eu quero dizer, nem microfone para vender melhor o meu "peixe"... Só quero deixar as palavras saírem livres... Sem destino... E que a sua força haja, reaja... Ganhe caminhos, conquiste pessoas... Abraços, afagos, destinos.
Texto: Soraia Monteiro

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Não há...

Tenho sede...
Tenho febre...
Tenho fome..
Sinto dor...
Sinto o cheiro de rosas...
Sinto a brisa... Sinto que não há mais...
Não há cores...
Não há amores...
Não há vida...
Não há luz...
Não haverá saída.

Stevie Wonder... Adorooooooooooooooo...


quinta-feira, 19 de novembro de 2009

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Não sei como dizer...

Olhinhos miúdos puxados, pele morena e estrutura forte... Magra... Dedos longos, porém tortos... Resquícios da vida de atleta... Pés grandes nordestinos a sustentam... Engraçada, às vezes sem noção... Misteriosa, triste... Olhar distante, muitas vezes não sei para onde voa... Deve ser tão longe que eu não consiga alcançar... Generosa, dura, sofrida... Cabocla... Cigana... Uma Yansã mora dentro de ti... Do parto natural deu a vida a três meninas... Guerriou sem jamais perder a esperança... Foi a caça.... O alimento trouxe a mesa... Nunca faltou... Força viril... Mulher... Coração esperança... Tua fé move montanhas, eu sei disso... Só que às vezes minha descrença te incomoda... Mas somos diferentes... Mulheres que se amam, que se desencontram, que se partem... O amor é maior, é intenso, inexplicável, é a toda hora, a todo instante... Mas muita mulher junta, os conflitos e crises irão aparecer... Já choramos, gritamos e rimos juntas... Cada conquista você sempre esteve lá, do seu jeito tímido, introspectivo, embora seu coração estivesse pulando de alegria... Você sempre lembrava que a próxima etapa estaria por vir... Que a humildade nunca nos faltasse, você dizia! Tua criação me ensinou a ganhar e a perder... Obrigada! Muitas vezes sinto vontade de dizer o quanto a amo... Acho que você sabe... Sinto vergonha, sei lá... É tão difícil explicar... Gostaria de dizer mais vezes... Quando eu digo é daquele jeito rápido, quase atropelando as palavras... Eu reclamo, chamo sua atenção, mas tudo é para seu bem... Sou muitas vezes dura, seca, racional demais... Esqueço que certas palavras magoam... Devia ter mais cuidado... Você sabe o quanto somos unidas... Parecidas não no físico, mas na personalidade... A temosia!!! Teimo em admitir, mas não tem como negar... Sinto orgulho... Sinto amor... Sinto tua força em mim... Sinto seu cheiro... Sinto gratidão por você minha mãe... Meu amor eterno... Infinito, único... De outras vidas... Estaremos juntas... Não importa onde esteja meu coração é seu...
Ps: Minha seca malhada do meu coração... Hihihihih... Te amo, te amo, te amo.... Um dia, eu juro... Eu tornarei seus sonhos em realidade! Fico por aqui senão o teclado vai afogar de tantas lágrimas, tadinho... Hihihihihi... Até a próxima coleguimas, fui!

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

CoiSas de NeRudA...

"Quando não te doeu acostumar-te a mim,
à minha alma solitária e selvagem,
a meu nome que todo afugentam.
Tantas vezes vimos arder o luzeiro
nos beijando os olhos e sobre nossas cabeças
destorcer-se os crepúsculos em girantes abanos.
Sobre ti minhas palavras choveram carícias.
Desde faz tempo amei teu corpo de nácar ensolarado.
Chego a te crer a dona do universo.
Te trarei das montanhas flores alegres,
copihues, avelãs escuras, e cestas silvestres de beijos.
Quero fazer contigo o que a primavera faz com as cerejas."

Pablo Neruda

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Ser ou não ser eis a questão...

Em tempos de globalização o que dá mais certo são os pacotes homogêneos... Tudo igual, sem cores, sem brilhos, sem novidade... Falta graça e criatividade... Seguir modelos, padrões, metas, medidas, tamanhos estabelecidos... Chapéu azul anil nem pensar! Preto e branco já dá! Ficamos todos iguais... Mas não era para ficar diferente? Trocar informações com outras culturas, misturar? Estamos mais próximos, as distâncias encurtaram, o tempo evolui em segundos... Ficamos mais rápidos e mais lentos... Tôlos e ainda não conseguimos aprender com as diferenças... Praticamos o exagero e o desafeto... A raiva, a impunidade, a injúria, a hostilidade... Sentimentos banais que se tornam cada vez mais inerentes aos homens, embora bem me lembro que CAPRA,(1980) coloca que nós, homens não nascemos com estes sentimentos: raiva, ódio, injúria e etc., e sim os adquirimos com a nossa própria construção social... Infelizmente ficamos com a segunda opção e com o discursos eloquentes bem demodée... Pasmem com veemência... São os tais "corolários" que não nos deixam negar... Onde foi que tiraram isso? Só sei que quem acredita, acredita e pronto! Então não ouse em questionar! Julgar o outro não só pelas diferenças é fato, mas aplicar juízos de valores insensatos, frágeis, superficiais... Passou de todos os limites... Homens e mulheres covardes... Amedrontrados... Escondidos, indefesos, reféns dos seus próprios discursos... Da criação dos seus juízos... Da culpa ou dúvida?O que faz de nós tão melhores que os outros? Julgamos os outros por terceiros... Julgamos por julgar... O que é certo e o que é errado? Me digam por favor! Sinceramente eu não sei e nem quero saber... Prefiro conviver com o diferente, aprender com o mesmo... Prefiro não chegar a nenhuma conclusão... Prefiro mentes vanguardistas... Prefiro um vestido curto exibindo as pernas do que viver na escuridão de uma sociedade machista... Prefiro sair do padrão... Ser excêntrica... Ser assim... Do meio jeito... Ser mulher e lutar pelo meu espaço, pela dignidade... Ser ou não ser diferente é a sua escolha.. Eu já fiz a minha opção... Ser universal... Até a próxima viagem!Tchau!
Texto: Soraia Monteiro.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

ArNalDo...GêNio!

a coisa mais moderna que existe nessa vida é envelhecer a barba vai descendo e os cabelos vão caindo pra cabeça aparecer os filhos vão crescendo e o tempo vai dizendo que agora é pra valer os outros vão morrendo e a gente aprendendo a esquecer não quero morrer pois quero ver como será que deve ser envelhecer eu quero é viver pra ver qual é e dizer venha pra o que vai acontecer eu quero que o tapete voe no meio da sala de estar eu quero que a panela de pressão pressione e que a pia comece a pingar eu quero que a sirene soe e me faça levantar do sofá eu quero por Rita Pavoneno ringtone do meu celular eu quero estar no meio do ciclone pra poder aproveitar e quando eu esquecer meu próprio nome que me chamem de velho gagá pois ser eternamente adolescente nada é mais demodé com os ralos fios de cabelo sobre a testa que não pára de crescer não sei porque essa gente vira a cara pro presente e esquece de aprender que felizmente ou infelizmente sempre o tempo vai correr não quero morrer pois quero ver como será que deve ser envelhecer eu quero é viver pra ver qual é e dizer venha pra o que vai acontecer eu quero que o tapete voe...

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

A alma

A alma reflete, transpira, brota... Odores, perfumes, recomeço...
A alma não cala não mente não finge...
A alma transmite, transmuta, transforma...
A alma preenche... Aconchega, brinca, baila...
A alma enfeitiça... A alma é mulher
É certeza
É a dor...
A alma é doce, aspéra, seca, límpida...
A alma transparece o incompreensível...
A alma fala, tem desejos, força...
A alma é uma mulher guerreira, forte, valente...
A alma caminha, vagueia, procura...
A alma é andar de pés descalços sem ter hora para chegar...
poesia: Soraia Monteiro

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Mas a vida vai melhorar... Vai melhorar...

O que será de nós nobres cavalheiros? Seremos sempre conduzidos como vacas prontos para ordenha? Seremos objetos e não sujeitos... Passivos... Nunca agentes da nossa história?Mais uma vez eles mandaram avisar... Mais uma vez... O MST sofre retaliações e tudo fica numa boa... Sabem por quem? Não... Vocês não sabem? Ora-ora.... A turma da pesada em serviço... Latifundiários e banqueiros como Daniel Dantas e Cia/ Ltda. Ajustam seus recursos e forças para garantir a soberania nacional... A terra produtiva, esqueceram? Monocultura da Soja ou pastagem torna latifúndio produtivo não sabiam? Agora pode tudo, até acusado vira vítima e pobre vira bandido... Mas a terra não tem função social? Mas aqui a terra é espaço para lobbys e muitos royalties...Desconcertante ter que escutar baboseiras... Sim senhor somos obrigados a ouví-las... Elas estão no ar para quem quiser ouvir ou assistir... Nada inocentes... Claro! Nessa inocência nada ingênua.... As matérias vão construindo idéias, opiniões forçando a construção de um senso comum sem críticas, mas com muitos critérios... Óbvio que o senso comum não deve ser renegado, sobretudo por que o mesmo carrega valores, sabedoria, embora é sempre bom ter certas desconfianças quanto a construção do mesmo... Devamos ficar atentos a tudo em alerta... No país dos banguelas os movimentos sociais são criminalizados e estão perdendo suas forças... Uma vez constituído poder pela militância... Os embates são fracos, quase inexistentes... Alguns empoderados, outros eloqüentes, sonhadores, militantes... Discrepâncias a parte, o fato é que latifundiários, empreiteiros,empresários e incorporadoras saem safos na opinião “ nacional”... É tanta massificação... Que tudo vai goela abaixo e não adianta questionar! Entres desvios de dólares para exterior, empresas fantasmas, desvios de verbas e super faturamentos das obras, o velho jeitinho se saí bem... Ô pobre memória falível prega cada peça não é mesmo? Os discursos são os mesmos, a pauta é sempre a mesma e a gente ainda sempre esquece... Pequenos ajustes já bastam... Prático para eles... Superficial para nós... Não tem mais discurso, viu! Ficamos encurralados, quem sabem encantados, ludibriados... Até o mais esperto caí no conto dos sete anões... Caí bem falar em PAC ( programa de Aceleração do Crescimento), meio ambiente, mudanças climáticas,desenvolvimento sustentável, será que eles sabem mesmo do que estão falando, sei lá... Sabe sim... O que importa é falar... Coloca tudo na forma e dá um bolo formigueiro que agrega todas as misturas... Coloca junto numa forma o Legislativo, o Executivo e o Judiciário...Para a massa não solar! Anda todo mundo junto, quer dizer... Todo mundo “fecha junto”... O bolo vai sair... Então está tudo em casa! Ham, ham... Está tudo na mesma cozinha... Mandou bem!!! Ganha eles,ganhou o povo!Ô povinho sofrido... Somos braços, pernas, cabeças e membros... O sistema e o organismo deste território nacional... O que seria deles senão nós, hein? Contudo os bons garotos estão sempre em ação... Mandam boas novas e votos de esperanças...Confiança minha gente brasileira, eles dizem... -O Brasil vai melhorar!Será? O crescimento econômico em boas pernas... Que venha a copa e que o drible perfeito seja mate no peito fazendo um golaço com as olimpíadas... Esse é o meu país! Não que eu seja contra a vinda da copa e em seguida as olimpíadas... Só concordo que neste país tudo termina em samba... Em bye, bye Brasil... Mas a vida, vai melhorar... Vai melhorar... Sigamos companheiros antes que anoiteça... Antes que eu chore de desgosto... De descrença... De raiva... De ódio... Confiem em mim... Brasil... Vai ser melhor! Desce uma cerveja gelada por favor! Até a saideira!
Texto: Soraia Monteiro

EstRanhO

Tédio... Somente o tédio me contempla neste momento...
O tédio percorre minha alma e somente ele conduz meus meus atos...
Meu instinto inato, estático, letárgico... Não faz... Não diz... Porque?
Hoje não tem ritmo, não haverá melodia, não tem bossa nova, nem rock roll...
Hoje não tem festa... Hoje é só hoje... Só agora...
O dia acordou diferente... O sol brilhou diferente... Eu acordei diferente?
Tédio... Tédio... Tudo está sem graça, sem cores...
Não vai ter festa na floresta... E o mar está mais mexido...
O azul do céu não é o mesmo... As cores perderam intensidade...
A dor é mais sôfrega... Lenta... Cortante... Embora incólume...
Sofro... Grito... Arranho... Choro...
Idónea prossigo... Sem medo... Permito o tédio...
Esse tédio nostálgico que me corta a garganta e me esquarteja...
Faz de mim o que quer e o que não quer... Joga, tripudia, escarcha, escancara...
Hoje somente hoje o tédio angustia meu coração... Será passageiro, espero... Será breve! Somente hoje... O tédio passa por minha janela... Manda recados dizendo que será passageiro... Só por hoje...
Texto: Soraia Monteiro

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Cerejeira


Perco-me no seu sorriso... E na cor da tua pele...
Faz-me da tua luz parte do meu universo...
Faz-me mulher... Faz-me ser única... A sua estrela
Pulsa junto a mim... Pulsa bem forte... Pulso vital...
Alimenta-me com teu sangue... Sejamos artéria e vida...
Increve-me no teu livro... Faça deste conto uma história...
Converte-me em ventre... Cultive frutos...
Dê-me insensatez convença-me com a loucura...
Procuras o céu... Olhe bem alto... Enxergue o universo...
Não queiras terra... Não anseje o sólido...
Deseje o ar, o mar e as nuvens... Construa uma frase...
Vai minha cerejeira... Brota doce, vermelha e cheirosa...
Do teu fruto brote sementes fortes...
Poesia: Soraia Monteiro

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Chegou novembro!!!

Chegou novembro!!!! E a o ano já está acabando... Aí que saudade!!! Foi tão rápido!!!Foi um bom ano... Com muitas mudanças, mas um bom ano! Esse mês tem uma cara de curtição... Um pézinho que antecede o verão e as férias... Que delícia! Mês em que a excitação aumenta... Bate aquela ansiedade... O mar fica mas bonito... O sol brilha mais intenso... O calor aumenta e as pessoas... Sim, as pessoas... Bom.... Ficam mais sexys... Frenéticas... Envolventes... Belas... Ah! O novembro... Reine o mês da mágia! Envolve-me no teu calor e na graça de viver no mês da alegria... Mês de Antonio, Mateus e de dona Aninha... Do escorpião... Faça me matéria e energia... Vibrações... Seja metade homem e metade cavalo... Cante para chegada do verão... Cante para os enamorados... Seja nove+ dois... Traga-me tua sombra e teu pôr-do-sol... Agracie-me com seus trinta dias de esperança! Até a próxima!!!
Texto: Soraia Monteiro

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Increvo-me

Saio daqui com a leveza de que aprender é mais um processo e/ou relação com a vida... Com as coisas... Com as cores... Sensações e bem-querer... Saio bem leve e me entrego ao distino... Ao momento... Aos instantes... Confundo-me porque cada confusão me provoca loucuras de achar respostas com as quais nunca vou ter... Caminho pelas ruas e sinto o cheiro de chuva... Sinto que cada instante é único... Somente meu.. Increvo-me neste instante... Na beleza... Na poesia... No meu samba... No meu devaneio... Que seja intenso enquanto dure... QUE SEJA LEVE... QUE SEJA AMOR A TODA HORA E A TODO INSTANTE...
Poesia: Soraia Monteiro

Chocolate


Chocolate, chocolate, chocolate

Eu só quero chocolate.... Só quero chocolate

Não adianta vir com guaraná pra mim

É chocolate que eu quero beber

Não quero chá, não quero café

Não quero coca-cola, me liguei no chocolate

Eu me liguei, só quero chocolate

Não adianta vir com guaraná pra mim

É chocolate que eu quero beber

Chocolate, chocolate, chocolate
Chocolate, chocolate, chocolate
chocolate, chocolate, chocolate

terça-feira, 27 de outubro de 2009

O Verbo For

João Ubaldo Ribeiro


Vestibular de verdade era no meu tempo. Já estou chegando, ou já cheguei, à altura da vida em que tudo de bom era no meu tempo; meu e dos outros coroas. Acho inadmissível e mesmo chocante (no sentido antigo) um coroa não ser reacionário. Somos uma força histórica de grande valor. Se não agíssemos com o vigor necessário — evidentemente o condizente com a nossa condição provecta —, tudo sairia fora de controle, mais do que já está. O vestibular, é claro, jamais voltará ao que era outrora e talvez até desapareça, mas julgo necessário falar do antigo às novas gerações e lembrá-lo às minhas coevas (ao dicionário outra vez; domingo, dia de exercício).

O vestibular de Direito a que me submeti, na velha Faculdade de Direito da Bahia, tinha só quatro matérias: português, latim, francês ou inglês e sociologia, sendo que esta não constava dos currículos do curso secundário e a gente tinha que se virar por fora. Nada de cruzinhas, múltipla escolha ou matérias que não interessassem diretamente à carreira. Tudo escrito tão ruybarbosianamente quanto possível, com citações decoradas, preferivelmente. Os textos em latim eram As Catilinárias ou a Eneida, dos quais até hoje sei o comecinho.

Havia provas escritas e orais. A escrita já dava nervosismo, da oral muitos nunca se recuperaram inteiramente, pela vida afora. Tirava-se o ponto (sorteava-se o assunto) e partia-se para o martírio, insuperável por qualquer esporte radical desta juventude de hoje. A oral de latim era particularmente espetacular, porque se juntava uma multidão, para assistir à performance do saudoso mestre de Direito Romano Evandro Baltazar de Silveira. Franzino, sempre de colete e olhar vulpino (dicionário, dicionário), o mestre não perdoava.

— Traduza aí quousque tandem, Catilina, patientia nostra — dizia ele ao entanguido vestibulando.

— "Catilina, quanta paciência tens?" — retrucava o infeliz.

Era o bastante para o mestre se levantar, pôr as mãos sobre o estômago, olhar para a platéia como quem pede solidariedade e dar uma carreirinha em direção à porta da sala.

— Ai, minha barriga! — exclamava ele. — Deus, oh Deus, que fiz eu para ouvir tamanha asnice? Que pecados cometi, que ofensas Vos dirigi? Salvai essa alma de alimária. Senhor meu Pai!

Pode-se imaginar o resto do exame. Um amigo meu, que por sinal passou, chegou a enfiar, sem sentir, as unhas nas palmas das mãos, quando o mestre sentiu duas dores de barriga seguidas, na sua prova oral. Comigo, a coisa foi um pouco melhor, eu falava um latinzinho e ele me deu seis, nota do mais alto coturno em seu elenco.

O maior público das provas orais era o que já tinha ouvido falar alguma coisa do candidato e vinha vê-lo "dar um show". Eu dei show de português e inglês. O de português até que foi moleza, em certo sentido. O professor José Lima, de pé e tomando um cafezinho, me dirigiu as seguintes palavras aladas:

— Dou-lhe dez, se o senhor me disser qual é o sujeito da primeira oração do Hino Nacional!

— As margens plácidas — respondi instantaneamente e o mestre quase deixa cair a xícara.

— Por que não é indeterminado, "ouviram, etc."?

— Porque o "as" de "as margens plácidas" não é craseado. Quem ouviu foram as margens plácidas. É uma anástrofe, entre as muitas que existem no hino. "Nem teme quem te adora a própria morte": sujeito: "quem te adora." Se pusermos na ordem direta...

— Chega! — berrou ele. — Dez! Vá para a glória! A Bahia será sempre a Bahia!

Quis o irônico destino, uns anos mais tarde, que eu fosse professor da Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia e me designassem para a banca de português, com prova oral e tudo. Eu tinha fama de professor carrasco, que até hoje considero injustíssima, e ficava muito incomodado com aqueles rapazes e moças pálidos e trêmulos diante de mim. Uma bela vez, chegou um sem o menor sinal de nervosismo, muito elegante, paletó, gravata e abotoaduras vistosas. A prova oral era bestíssima. Mandava-se o candidato ler umas dez linhas em voz alta (sim, porque alguns não sabiam ler) e depois se perguntava o que queria dizer uma palavra trivial ou outra, qual era o plural de outra e assim por diante. Esse mal sabia ler, mas não perdia a pose. Não acertou a responder nada. Então, eu, carrasco fictício, peguei no texto uma frase em que a palavra "for" tanto podia ser do verbo "ser" quanto do verbo "ir". Pronto, pensei. Se ele distinguir qual é o verbo, considero-o um gênio, dou quatro, ele passa e seja o que Deus quiser.

— Esse "for" aí, que verbo é esse?

Ele considerou a frase longamente, como se eu estivesse pedindo que resolvesse a quadratura do círculo, depois ajeitou as abotoaduras e me encarou sorridente.

— Verbo for.

— Verbo o quê?

— Verbo for.

— Conjugue aí o presente do indicativo desse verbo.

— Eu fonho, tu fões, ele fõe - recitou ele, impávido. — Nós fomos, vós fondes, eles fõem.

Não, dessa vez ele não passou. Mas, se perseverou, deve ter acabado passando e hoje há de estar num posto qualquer do Ministério da Administração ou na equipe econômica, ou ainda aposentado como marajá, ou as três coisas. Vestibular, no meu tempo, era muito mais divertido do que hoje e, nos dias que correm, devidamente diplomado, ele deve estar fondo para quebrar. Fões tu? Com quase toda a certeza, não. Eu tampouco fonho. Mas ele fõe.


Esta crônica foi publicada no jornal "O Globo" (e em outros jornais) na edição de domingo, 13 de setembro de 1998 e integra o livro "O Conselheiro Come", Ed Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 2000, pág. 20.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Aos meus queridos!!!!

A amizade é um amor que nunca morre.

Mário Quintana

domingo, 25 de outubro de 2009

Semana de Ciência e Tecnologia

Quem conhece um mineral? E as rochas o que são?Alguém já viu um fóssil?E fotografias aéreas? Conhece um estereoscópio? E para que serve? Nossa, quantas perguntas!!!! Foi assim a minha semana... Conhecer pessoas diferentes... Passar conhecimento e aprender também... Trocar essa é a minha maior intenção!!! Durante todos esses dias trabalhei na Semana de Ciência e Tecnologia, que tem como objetivo estimular a produção científica no país, por isso agradeço a oportunidade de poder trabalhar num evento que tem como público, em sua grande maioria, crianças e adolescentes respectivamente, do ensino fundamental e médio de escolas públicas estaduais e municipais. Essa carência no ensino foi significante para minha participação, visto que muitos destes ansejavam por novidades e conhecimentos, o que é muito natural nesta idade, sobretudo em escolas públicas cujo o ensino é deficitário na sua maior parte e sinceramente desestimulante. Sei muito bem do que estou falando... Tenho propriedade para falar neste assunto... Já estudei em escola pública e conheço muito bem a sua realidade! Há muitas lacunas a serem preenchidas e naquele instante me coloquei no lugar daquelas crianças e jovens sedentos por novidades! Claro que muitos, você percebia de cara que não estavam nem um pouco interessados em estar naquele local... Talvez porque não foram estimulados ao longo dos anos ou porque algumas coisas não tinham significado/relação com sua realidade. Pensei rapidamente: -Eles vão gostar, tudo tem um sentido e chega de informações segmentadas! Precisamos correlacionar os assuntos!!! Isso foi instântaneo e até mesmo telepático entre todos os monitores... Ninguém exitou e as coisas fluiram naturalmente, haja vista que o stand de Geociências foi composto pela Geologia, Geografia e Biologia a sintonia entre as ciências foi perfeita! Foi impressionante, o nosso stand ficava lotado, as crianças claro, curiosas queriam mexer em tudo, assim como os adultos, fotografavam o que visse pela frente e o melhor adoravam tudo de novo que lhes era apresentado. Era uma farra só!!! Vê as rochas de pertinho, um mineral de esmeralda, um fóssil da mandíbula de um mastodonte ou um fêmur de uma preguiça gigante... Nossa, era muito bancana vê cada olhar curioso, perplexo diante do passado e do presente... Olhar de descoberta... E quando eles viam as fotografias aéreas por meio de estereoscópio, aparelho que permite visualisar as imagens, neste caso o relevo em 3D, fantástico!!! Os adolescentes enlouqueciam... Perguntavam tudo, os flashs eu já perdia conta e acreditem estavam atentos a tudo que nós falavamos!!! Ficamos tão felizes pelos elogios, assim como pela troca, pela experiência com eles... Pelo muito obrigada pela explicação, aí vocês já viram... Ganhamos o dia!!!! O que me entristece é que pouco se faz ao ensino... As oportunidades a um evento desse porte são limitadas... Então poucos alunos tem acesso a determinadas informações, o que é inadimissível, mas infelizmente acontece... Estes estudante ficam ainda em desvantagens perante aos estudantes de escolas particulares, embora eu acredite que nada é impossível quando se quer verdadeiramente algo! Quem quer estudar, aprender não importa o lugar!!! Contudo conhecimento nunca é demais, ele deve ser disbonibilizado a todos e com qualidade! No tocante a organização do evento teço algumas críticas, pois o trabalho dos monitores não foi devidamente valorizado e foi preciso os professores brigarem, sim brigarem para que o almoço do pessoal da manhã fosse assegurado, sem contar com a "errustição" das camisas do evento!!!! Nota-se que o nosso Estado não reconhece a importância da ciência na vida das crianças e jovens, pois se há monitores... Haverá evento!!! Sim, pois o Estado, neste caso a SECTI, orgão que promoveu o evento só arcou com as camisas e o almoço dos monitores ficando a cargo do IGEO a montagem e materiais dos standes e monitores. Mesquinhez? Com certeza!!!! O que difere um estudante que veio pela manhã trabalhar e receber seu almoço para o estudante que vem pela tarde e que já vem almoçado? A justificativa deles era que o ticket do almoço seria somente para os estudantes que trabalhassem no stand o dia inteiro. Agora me digam: - Qual estudante da UFBA que pode se dá ao luxo de trabalhar o dia inteiro? Temos aulas em diferentes horários, então essa foi uma colocação impertinente, sem fundamento. Sim, mas o dinheiro é claro ficaria com eles, sim, sim, sim porque o mesmo não volta para união!!! Por isso vai aqui meu agradecimento a nossa professora, gaúcha retada que foi lá e brigou para que os almoços fossem assegurados e acreditem, eles não queriam dá o almoço de todos os estudantes dizendo que o nosso stand tinha muitos monitores!!! Ora-ora, o nosso stand era um dos maiores do evento, cheio de materiais patrimônios da universidade, vivia lotado de visitantes e eles não reconheciam o nosso esforço!!! Muitos visitantes elogiavam o nosso trabalho porque viam a qualidade das explicações e demostrações e no trabalho que dá falar o tempo inteiro, ficar em pé, controlar euforia das crainaças... Trabalhão!!! Mas foi um trabalho voluntário para nossa universidade, quem estava lá estava porque queria participar, doar... Diferentemente das universidades particulares que pagavam seus alunos as diárias no stand!Agora eles veem com essa conversa fiada!!! A professora não exitou:- Ou dá para todos o almoço, ou não dá para nenhum e desarmamos o nosso stand! Cara, num instante eles foram pedir desculpas pelo equívoco, pelo constrangimento causado!!! Logo à tarde eles queriam que nós participássemos de uma filmagem para o governo da Bahia, depois de tudo!!!! Pode? Pois é, depois dizem que a Bahia é para todos!!!! Conte essa para o boneco!!! Fui!

sábado, 24 de outubro de 2009

Cansada...

Estou aqui, alí e acolá...
Estou bem perto... Ás vezes bem distante...
Estou no mesmo lugar
Nunca parada sempre em movimento...
Em equilíbrio dinâmico... Como o mar ou um rio
Que é o todo e nunca a soma das partes...
Sigo sem destinho, mas nunca sem metas...
Voo para longe... Converso com Deus... Sigo adiante...
Dou suspiro... Dou mais outro... Ufaaaaaaa!!!!!
Volto de novo.. Sonho mais um pouco...
Dou um pulo e levanto atrasada
Saio correndo para começar tudo de novo!!!!

Ops: A rotina é isso mesmo, heheheheheheheh!!! Até a próxima!!!

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Na multidão

Eu não sei por que que eu fui nascer
Por que que eu vim de lá pra cá
Eu só sei que, agora, eu vou ficar
Só pra desestabilizar
Eu cheguei querendo só mamar
Mas me tiraram pra dançar
Eu dancei
E depois que eu comecei
Não conseguia mais parar
Na multidão
Na multidão
Veio o um querendo me comer
Veio o dois querendo me amar
Mas o três veio logo me dizer
Ponha-se no seu lugar
Respondi: Não vim pra responder
Eu vim aqui pra perguntar
Já fui eu, agora eu sou você
Equilibrar o habitat
Na multidão
Na multidão.

Ana Cañas/Liminha/Arnaldo Antunes

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Dia do Professor

E não é que temos um dia? Sim, temos um dia, ou temos todos os dias? O negócio é o seguinte: Eu tive, você também teve e se não teve um dia vai precisar de um! É ... Devemos tudo a eles... Quer dizer aos bons e aos péssimos também... Por que se foram péssimos... Hoje podemos avaliar e separar o que não presta, o que não faz diferença... Quanto aos bons... Ficamos com a lembrança boa, com os ensinamentos, as conversas, as aulas fervorosas e com a saudade eterna!!! E agora chegou a minha vez... Relutei tanto para aceitar essa profissão... É gente, eu sou licenciada!!!! Sim, sou uma professora meia boca... Hihihihih... Dando os primeiros passos na arte de lecionar... Então, tudo é novo para mim, assim como confuso, admito! Só de imaginar que os profissionais desta área são tão desvalorizados... Faço questionamentos a mim mesma a todo momento: -Meu deusssss, onde foi que eu errei!!! Não podia ter feito outra coisa? Bom, mas pelo menos eu tenho duas opções: Sigo como bacharel ou como licenciada, graças a jah, uma segunda opção!!!! Não estou aqui desmerecendo a profissão não pessoal... É que esse lance de profissão é muito confuso... Principalmente quando a mesma requer tempo e paciência do profissional!!! E quando se tem duas opções... Tudo fica bem melhor!!! Sim, sim, sim!!!! Por que para prosseguir com essa carreira, somente com muito amor pelo que faz... Dá muito trabalho e pouco reconhecimento, a não ser o pessoal! E no meu caso há muitas dúvidas profissionais mesmo vindo de família de professores...Também adoro a profissão do bacharel! Embora, eu não tenha vindo aqui discutir o que é melhor ou pior, mas sim demostrar aqui a minha admiração por esta profissão! Pode ser medo de encarar de frente esta carreira? Quem sabe? Talvez... Um dia eu descubro... Acredito que muito do que sou... Teve uma contribuição significativa dessas pessoas especiais e espero que eu tome isso como exemplo, haja vista que eu vivo dando cursos e confesso... Adoro o retorno de meus alunos! De qualquer forma, fica aqui a minha demostração de afeto e reconhecimento à profissão que forma e educa pessoas! Parabéns professores!!! Parabéns todos os dias!!!
Ps: Parabéns Pró Rosália, Cleci, Norma, Jorge, Cathy, Wendel, Clímaco, Eron, Marcelo... Desculpa para os que eu não lembrei o nome, mas sintam-se homenageados... Vocês fazem toda a diferença!!!

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Um bom poema

um bom poema leva anos
cinco jogando bola,
mais cinco estudando sânscrito,
seis carregando pedra,
nove namorando a vizinha,
sete levando porrada,
quatro andando sozinho,
três mudando de cidade,
dez trocando de assunto,
uma eternidade,
eu e você,
caminhando junto

Paulo Leminski

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Zeca,Zequinha, Zeconildo, Zeca Augusto, o nosso cão!

Sempre achei que os animais são seres superiores... Hoje, tenho certeza absoluta. Quando Zeca chegou em casa, eu pensei... Que presente de grego!!! Quem que podia me dar de presente de aniversário um cachorro?Será um louco? Ou eu que sou maluca? Eu pensava: -Só posso está louca, eu aceitar um cachorro? Ah! Tamanha estranheza? Não se assustem, eu amo bichos, amo mesmo, sempre fui criada no meio deles e compreendo que todo animal precisa de espaço, ar livre, liberdade... Por isso me assustei com o tal presente. Por que naquela época eu morava em uma casa (espaço, ar livre, liberdade), quanto a isso tudo bem; mas se tratando que em breve eu estaria me mudando para um apartamento, logo logo os problemas iriam começar... Só de imaginar eu ficava angustiada. Mesmo assim nós (todos da minha família) aceitamos zequinha de coração aberto! Acho que precisavamos nos doar e nos unir também... E porque não um animal? Minha mãe sempre fala que os animais trazem uma harmonia à casa e como o meu cão havia sido um presente, alguma mensagem ele trazia para nossa família... Depois que ela falou isso, eu não tive dúvidas que aquele era um sinal... Lá fui eu desesperada buscar o meu presente... Nossa!!! Que saudade desse tempo!!! Foi amor a primeira vista... Fiquei louca com aquela coisa pequena, frágil, inofensiva. Ele mais parecia uma bolinha de pêlos castanhos que não parava de bocejar... Lindo... Tão pequenino, mas bem espertinho... Eu sabia que ele seria nosso... Assim que eu o carreguei tive a certeza que aquele amor seria eterno e que aquela mensagem seria traduzida da melhor forma com... O amor. Eu sei que animais dentro de uma casa dão bastante trabalho, mas imagine dentro de um apartamento? Pois é, eu me mudei para um... Espaço agora... Ah? Onde? Como? Está difícil, então o que nos resta é tentar tornar a vida daquele animal, o mais confortável possível. Foi o que fizemos. Não pensem vocês que tudo é as mil maravilhas não... Não é mesmo!! Sinto raiva, fico pirada, xingo, brigo, pergunto-me várias vezes onde é que eu estava com a cabeça quando o aceitei? Mas claro que tudo é da boca para fora!!! Por que criar um animal é difícil mesmo, exige atenção, dedicação, dinheiro... Custa caro e custa tempo... E ultimamente eu não estou tendo tempo para mim... Quanto mais para ele, o meu cão... Mas bicho é que nem filho... Quer amor, carinho, atenção e o melhor... Não pede nada em troca... Pelo contrário... Companheiro para todas as horas!!! Quantas vezes eu não já chorei e ele não saía do meu lado? Sempre me lambendo e me alisando com sua patinhas tentando amenizar a minha dor? Sempre com seu olhar complacente... Sempre com seu amor incondicional... Meu amigo, você sempre será o nosso grande amor!!! Te amo muito, meu zequinha, meu zeconildo do meu coração!!! Amor eterno da família Monteiro!!! Luz da nossa família!!! Até a próxima amiguinhos!!!
Ps: Adote um cão!!! Faz toda diferença!!!

sábado, 10 de outubro de 2009

TMP


Hoje, eu estou assim... Sem inspiração, sem vontade, sem âmino, afffffffffff... Nem eu estou me aguentando! Ah, vocês não sabem o motivo? Não? Eu estou naqueles dias que se pudesse, eu esganava um... Um não... Vários... Trucidava tudo!!!! Mas não pensem vocês que ela, o nosso motivo ainda está por vir... Nãoooooooooo... Ela já veio e agora só sou eu e ela, minha parceira inseparável por alguns dias... Uiuuiui... A bendita, está aqui comigo, claro... Como posso esquecê-la!!!! Um dor nefasta preenche mei corpo inteiro... Uma cólica desgraçada provoca arrepios e calafrios incessantes!!! Um rio corre dentro de mim por águas tortuosas e o mau humor visível confirmam a sua presença!!! Sim, amigos e amigas ela está aqui, e como bagagem trouxe com ela a bendita tensão menstrual permanente... Ô se não!!! Ela está aqui para infernizar a minha vida durante alguns dias... Ô inferno!!!! Cá estou eu compartilhando com vocês um dilema que não é somente meu, mas de muitas mulheres desesperadas... Então amigas vamos nos juntar, nos unir para nossa campanha... Quero ver todas em uníssono... Todas em uma só voz: -Não invada o nosso território temporáriamente perigoso!!! Isso companheiras, vamos... Comungue desta campanha... Conversa com o namorado, com a mãe, irmãs e irmãos, com os amigos, com todos alerta logo todo mundo!!! Avisa para eles se precaverem durante esses dias... Por que se não... Território ameaçado... Perigo constante... Morte na certa, hehehehehe... Beijocas e Feliz dia das crianças!!!


ps: Acho que meu mau humor tá passando... Um pouquinho... Tchau!

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

O centro


O centro é centro, porque é no centro que se centra tudo... O centro centraliza o que não é perfeito e o que é perfeito. O centro namora, debocha, escancarra, agride e mostra:o que real e o que está osbscuro, embora desperte o subjetivo. Neste centro, do qual falo é o centro do povo... O centro da cidade do São Salvador... O centro que desde menina passeio por ruas estreitas cheias de gente, barulhentas, mas repleta de melodia. Neste lugar se entra pobre e se saí rico... De esperança, de bom humor, de conhecimento, de amizade... O centro que eu conheço concentra a riqueza, a beleza e a história de uma cidade... Onde habita gente de verdade e não de papel... Gente de lágrima e suor... Pulso vital da economia informal... É este centro que me traz a memória coisas boas e ruins... É desse jeito que eu gosto... Não mudaria nadinha... Apertado, confuso, dinâmico, vital... Não mais competitivo, mas centro... De tudo e de mais um pouco... Da puta e do travesti... Do bêbado e do mendigo... do flanelinha, do camelô, do aposentado e de quem mais chegar...

Coração Dividido...

X

Eternamente Rubro Negro!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

víCio

Um boa entrada para as manhãs, tardes, noites, madrugadas...

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Ser o outrO!

Me leve para qualquer lugar... Que seja bem longe do real...
Leve-me para as montanhas... Para ver o horizonte infinito...
Para ver o mar infinito... Para ver o infinito ou qualquer coisa que seja inusitada.
Tocar em coisas... Sentir cheiros, sons diferentes... Ver gente...
Apreciar outras línguas e outros sabores... Ser outra mulher...
Ser outra energia, outro pensamento... Pelo menos uma vez...
Não quero ser eu... Quero ser o outro... Só de brincadeira... Só um pouquinho...
No meu faz de contas... Aprender a ser o outro, pensar como o outro, agir como o outro, só uma vez...
Ter a chance de ser o outro e ser eu... Pela primeira vez... Ou quem sabe uma de muitas?
Vai ser bom sim!!! Acho que vou gostar... Vou aprender...
Fugir por um instante do meu mundinho egocentrista, pelo menos uma vez...
Sair do meu próprio umbigo...
E quando acordar... Serei eu e um pouco do outro...
Um pedaço, Um laço, a sua metade.

domingo, 4 de outubro de 2009

Steel Pulseeeeeeeeeeeeeeee

Dia 21/11/2009, Steel Pulse em Salvador!!!!! Onde? Cais Dourado!!!!! Ás 22:000!!!! Dia inesquecível!!!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

A mira perfeita

Estava eu naquele momento único... Infinito... Eterno... Daqueles que o tempo pára, congela... Sensação gostosa... Plena...
Um suspiro e meu corpo fica leve, inerte... Aliviado...
Pena que nós mulheres tenhamos algumas limitações para liberá-lo, excretá-lo...
Entretanto quando conseguimos... O momento é prazeroso, íntimo, solitário, embora em algumas situações seja coletivo, o que não se aplica a esta situação, a sensação não deixa de ser maravilhosa!
Contudo, eu só não contava com a madilta goteira que atrapalhou o meu instante de prazer...
Foi como uma linha tênue entre o prazer e a raiva...
-Justo naquele instante! Eu me perguntei?
-Não! Não! Não! Não podia ser em outra hora!!! Justo agora!!! Mas não!!!
A bendita estava lá para acabar com minha festa...
Para estragar com o meu deleite!!Foi sim...
Aquela maldita goteira tinha uma mira certeira, coisa que passa longe de mim...
Por que nós mulheres, testamos posições, trocamos informações, damos dicas entre nós mesmas sobre atingir o tiro certeiro. No meu caso já virou utopia...
Tento, tento... Encontrar posições perfeitas, travo uma briga para obter o ângulo perfeito, mas não!!! O desastre é cometido em poucos segundos!
É quase impossível, pelo menos comigo, acertar o alvo... Seja por força da gravidade ou da vontade, ele escorre por caminhos incontroláveis, dispersos... Anciosos...
E eu sempre fico no desespero... Uma tragédia cômica por sinal... Fico nervosa, tonta, alegre...
É um instante contraditório entre o prazer e a vergonha do julgamento do outro, quer dizer do próximo, se é que vocês me entendem...
Fatídico... Cômico... teatral...
Quais mulheres já não passaram por isso? Quais? Outro dia, eu no desespero esqueci de levantar a tampa, pode?Xiiiiiiiiiiiii... Que situação!!!! Resultado... Fiz uma poça na tampa, sem contar como foi para limpar a lambança ...Afffff... Horrível... Não queiram passar por isso, nuncaaaaaaaaaaaaaaaaaa... A Maíra, a minha cúmplice após tragédia maior só fazia rir de minha cara de paisagem contando o fato...
Mas hoje foi fatal...
No explendor da cena, eis surge uma miséria de uma goteira que insistia em cair na minha bunda e acabar de vez com a libertação do meu xixi. Mira certeira? Nãooooo... Perfeita!!!! Miserável! Acertou o alvo!!! E eu? Sempre no mesmo conflito!!!! Eterno...
Mira perfeita é qualidade da qual eu não fui agraciada, e vocês ainda não acreditam no que eu digo!!!
A tragédia é um ótimo motivo para se tornar uma boa piada!!!
Boa risadas para todos!!!Tchau!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Imafeita

Mãos trêmulas, suadas e respiração ofegante...
Ansiedade, instigação... Descobertas...
Cada click uma nova descoberta, uma nova imagem...
Estou apaixonada, enfeitiçada, enlouquecida...
Não conseguimos mais nos desgrudar, porque a cada instante posso captar uma imagem...
O movimento perfeito... O click instantâneo...
Percepção aguçada... Em tempos de esperança...
Dedos calejados obedecem meus sentidos...
Movimentos involutários e subconscientes... Desejosos...
Detalhismo virginiano... Minucioso... Subjetivo... Avaliado... Criticado...
A luz, o zoom, o contraste, a cor perfeita... Compõem essa paixão...
O que pode transmitir uma imagem? Qual o seu valor? Qual é a medida? Qual a dose perfeita? Não sei... Mas continuo tentando atingir a perfeição! Até a próxima.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Sonhos do EU

Estamos na fase fase do eu, sim do eu!Essa é a era do EU. Somos egocêtricos, hedonistas ao extremo e os nossos parâmetros são lançados a partir do nosso umbigo. Comparamos tudo a partir do nosso eu, julgamos o outro com desdém e mesmo assim, sonhamos com formas inatigíveis, queremos ser o outro a qualquer preço e nos deparamos com a ruína da nossa própria existência, do vazio, do egoísmo, da culpa, do medo, da comparação, dos modelos (de mulher ideal, de marido perfeito, profissional bem sucedido, pai ou mãe, família... Criamos parâmetros para tudo, o que nos torna muitas vezes infelizes por tais escolhas... Queremos respostas para tudo... Queremos o imediato, o agora, o já... Mesmo assim caminhamos desesperados pelo aplauso, pelo espetáculo, pela grande cena... Buscamos o olhar do próximo... Tememos a crítica, ansejamos a aceitação... Entre tantos desacertos... O palco e o abismo se confontram a todo instante... Criamos tudo... O simulacro, parâmetros para felicidade, para vida "bem sucedida", para o amor, para o certo e o errado, para o sim e o não, etc... Ficamos aprisionados... Viciados, pertubados em práticas hedonistas que não nos libertamos do medo, da culpa, do julgamento, nem dos nossos sonhos... Comecei este texto falando do eu egocêntrico e hedonista para comentar sobre um filme, excelente, na minha opinião e que com certeza ficará marcado em em minhas lembranças; não somente pelo seu enredo, roteiro, atores... Mas pelo que a sua história traz quanto reflexão as tais adequações sociais as quais eu me refiro no texto, quanto a modelos e parâmetros para uma vida feliz cheia de sonhos, que nem sempre conseguimos atingí-los. Tais sonhos são o espírito do ideal de vida perfeita, muito longe da imperfeição e complexidade humana. A essência destes personagens permite fazer alusões com situações cotidianas, citadinas, cada vez mais próxima de muitos de nós. O filme do qual vos falo é o Requiém para um sonho, dirigido por Darren Aronofsky. É um filme pesado, angustiante, contudo possui uma boa qualidade estética e realismo. É um convite a um mundo não muito distante de muitos de nós e com certeza vale a pena assistir. Sem dúvida um convite à reflexão! Sinopse: Uma visão frenética, perturbada e única sobre pessoas que vivem em desespero e ao mesmo tempo cheio de sonhos. Harry Goldfarb (Jared Leto) e Marion Silver (Jennifer Connelly) formam um casal apaixonado, que tem como sonho montar um pequeno negócio e viverem felizes para sempre. Porém, ambos são viciados em heroína, o que faz com que repetidamente Harry penhore a televisão de sua mãe (Ellen Burstyn), para conseguir dinheiro. Já Sara, mãe de Harry, viciada em assistir programas de TV. Até que um dia recebe um convite para participar do seu show favorito, o "Tappy Tibbons Show", que transmitido para todo o país. Para poder vestir seu vestido predileto, Sara começa a tomar pílulas de emagrecimento, receitadas por seu médico. Só que, aos poucos, Sara começa a tomar cada vez mais pílulas até se tornar uma viciada neste medicamento.
Boa sessão a todos e até a próxima, tchau!

terça-feira, 15 de setembro de 2009

sábado, 12 de setembro de 2009

Paixão EternAAAAAAAAAA


Amiguitos, esqueci de contar para vocês... Não contei? Ah, que deslize!!!! Agora vou poder abusar de um hobby que tanto amo a fotografia, hihihihiih... Ganhei uma máquina bem legal e logo logo estarie exibindo os meus primeiros passos na fotografia!!! Conto com a força de todos, viu!!!! Beijão!!!

Bem de LeVe...LevE...

Bem de leve vou seguindo... E cada passo um novo atino... Curiosidades? Exitações? Fazem parte desta ciranda... Ás vezes tenho medo, ás vezes desafio, às vezes me surpreendo... Mutante? Metamorfose... Nunca estável e sempre dinâmica... Este é o ciclo... Uma hora passo outras horas tropeço... Mas levanto, vôo como uma borboleta que um dia foi lagarta e apreendeu a voar com as próprias asas... Reconheço, recomeço, reavalio... Todos os res possíveis já fazem parte desta estrada... Indignação? Jamais... Raiva? em alguns momentos é prudente sentí-la... Rir de mim mesma? Sempre... Por que a cada instante sou renovada por uma força chamada esperança! Beijoquitas, amiguitos!!! Bom sábadão a todos!

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

BueNa VISTA!!!!


Primeiro achei que era apenas um sonho... Sonho bommmm... Daqueles que a gente não quer acordar mais... Achei que não seria possível, apenas falatórios alheios... Mas não! Era verdade! Eram eles mesmos... Que alegria, meu deus! Um presente inesquecível... Justo em um dia antes do meu aniversário! Momento único... Acho que foi a última vez para alguns do seus integrantes... E eu fui! Banda perfeita, cantoras maravilhosas, presença de palco... Tudo, tudinho era mágico! Era tudo como eu esperava, imaginava, delirava... Um dos meus tantos sonhos foi realizado, foi sim!!! Só estando lá para saber.. Talvez alguns achem um pouco exagero ou invenção da minha parte... Pode até ser... Talvez... Ou não? Sei que sonhei... Fiquei hipnotizada com tanta energia... Como um criança... Não, meus caros! Foi um dia de festa, foi um dia em que o sonho sonhou a realidade... Tanta emoção? Não foi eu, foi o meu eu lírico que desabrochou!! Beijoquitas em todos, até a próxima história...

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Contando os dias, as horas, os segundos...

Vai ser inesquecível... Depois conto para vocês como foi!!!! Tchau!!!!


It's Too Late É tão tarde

Stayed in bed all mornin' Deitada na cama a manhã toda apenas passando o tempo.
Just to pass the time. Há algo de errado aqui que não pode ser negado
There's somethin' wrong here. Um de nós está mudando ou talvez
There can be no denying. Nós apenas tenhamos parado de tentar.
One of us is changin'
Or maybe we just stopped trying
And it's too late, baby, É tão tarde querido, agora é tão tarde.
Now it's too late, Então nós realmente tentamos fazer isso
Though we really did try to make it. Algo dentro de mim morreu e eu não posso esconder
Somethin' inside has died Apenas por não poder ser falsa.
And I can't hide and I just can't fake it.
Oh, no, no, no, no, no, no..
It used to be so easy Eu fui tão fácil vivendo aqui com você
Livin' here with you. Você estava aceso e animado e eu sabia o que fazer
You were light and breezy Agora você parece tão infeliz
And I knew just what to do. E eu me sinto como uma idiota.
Now you look so unhappy
And I feel like a fool
And it's too late, baby, É tão tarde querido, agora é tão tarde.
Now it's too late, Então nós realmente tentamos fazer isso
Though we really did try to make it. Algo dentro de mim morreu e eu não posso esconder
Somethin' inside has died Apenas por não poder ser falsa.
And I can't hide and I just can't fake it.
Oh, no, no..
There'll be good times again Haverá bons momentos ainda pra mim e pra você.
For me and you, Mas apenas não podemos ficar juntos
But we just can't stay together. Você não sente isso também?
Don't you feel it too? Ainda assim eu me sinto feliz pelo que fomos
Still I'm glad for what we had E como, uma vez, eu amei você.
And how I once loved you,
But it's too late, baby, É tão tarde querido, agora é tão tarde.
Now it's too late, Então nós realmente tentamos fazer isso
Though we really did try to make it. Algo dentro de mim morreu e eu não posso esconder
Somethin' inside has died Apenas por não poder ser falsa.
And I can't hide and I just can't fake it.
Oh, no, no, no, no, no, no..
It's too late, baby.
It's too late, now, darlin'.
It's too late.
Carole King

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Semana agitAda...

Olá amiguinhos, tudo bem? Dei uma sumidinha não foi? Semana extremamente agitada, rararáaaaaaaaa... O que foi isso meu Deus? Parece que o céu desabou nas nossas cabeças, quer dizer na minha cabeçaaaaaa... Acontece... No início da semana soube que um amigo havia falecido, nossa fiquei arrasada, triste, sem vontade de entender nada... Apenas vivenciei muito a tristeza por completo... Além da baita confusão que arrumei... Acredita que eu fui colocar uma imagem de luto no meu perfil do orkut e acreditem, minha página de recados encheu de scraps, todos preocupados comigo! Sem contar que às 7:00 horas da manhã recebi uma ligação de Portugal para saber o que havia acontecido comigo... Todos achavam que meu pai havia falecido, por conta do AVC. Então, eu até entendo a quantidade das mensagens... E amigos, obrigada mesmo pela preocupação! Desculpa, pela minha confusão!!! Hihihihihi... Não tô falando, tudo acontece comigo! Para completar a bagagem, minha sogra foi internada com suspeita de gripe suína, creiam!!!! Ela está com uma infecção respiratória, então todo cuidado é pouco... A direção do hospital foi enfática quanto a necessidade do seu internamento. Ou seja, mais essa!!! Como se já não bastasse minha mãe fratura o dedo do pé direito, a tia do meu companheiro cai e se machuca, minha cunhada bate o carro comigo dentro, além da mesma adquirir uma gripe daquelas... Isso é só um detalhe para o que estava por vir.... O box do banheiro do hospital em que minha sogra se encontra caiu em cima dela, machucando-a... Ah! Eu já havia esquecido perdi o domingo na fila do shopping Paralela para comprar o ingresso de meia-entrada para o jogo da seleção brasileira, quem guenta? Não consegui meia-entrada nenhumaaaaaaaa... Tivemos (eu e Leo) que comprar as entradas inteiras pela internet, Cilinha, cunha brigadinha... Somos besta mesmo, tudo pela seleção!!! Affffff... Ufa, será que ainda falta acontecer? Acho que não, será? Ô may gódê!!!! Fiquei que nem uma louca para resolver tudo...Casa, mercado... E ainda mais essa!!! Leo é fogoooo... Besta é tú, besta é tú... Êta, semaninha agitada essa minha!!! Hoje passei aqui para desabar... E para lhes contar um segredo: - Mulher maravilha existe, viu!!!! Beijoquitas!!! Tchau!

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Se cada dia cai

Se cada dia cai, dentro de cada noite,
há um poço
onde a claridade está presa.

há que sentar-se na beira
do poço da sombra
e pescar luz caída
com paciência.

Pablo Neruda (Últimos Poemas)

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

PartidAs...

Hoje é dia de partida...
O moço vai embora tão cedo... O trem à vista...
Chegou a hora... Era hora de partir...
Mas porquê tão cedo?
Assim tão de repente... O trem apita...
É sua hora amigo... Foi tão breve sua estadia...
Cometa... Fulgaz...
Vou sentir tanta saudade... Deixo você partir... Vai colorir outros mundos... Vai fazer uma festa branca, azul e vermelha...
Vai eterno menino... Não perca o trem... O universo lhe espera...
Ao som de um hino tricolor e fogos de artifício...
Quem sabe na próxima viagem nos veremos?
Vai ser uma grande festa... Uma farra bem ao seu jeito... Vou aguadar...
Agora me despeço com a certeza de um próximo encontro...

Vá em paz, meu amigo Godjow!!!! Seja LUZ!!!

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

A mOeda

Era uma moeda de R$ 0,25 centavos. Dourada, reluzente como o ouro, pórem com pouco valor de compra. Mas, o que se pode comprar com R$ 0,25 centavos? Balas? Um nêgo-bom?Uma paçoca? Picolé, já foi-se o tempo... Mas até agora me intriga o fato de uma simples moeda agregada ao seu pequeno valor causar tanta cobiça em um jovem... Pois bem, acho que ontem causou em um certo rapaz... Ontem eu estava sentada em um banco do ônibus, quando me dei conta que a moça que estava ao meu lado havia levantado para descer em seu real destino. Quando dei por mim, havia ao meu lado uma moeda de R$ 0,25 centavos. Eu estava um pouco sonolenta e por alguns instantes pensei que pudesse ter caído alguma moeda do meu bolso ou da bolsa daquela moça. Entre freiadas e buzinadas verifiquei, conferi o punhado de moedas que estavam no bolso da calça, contudo nenhuma havia caído. Dinheiro conferido... Percebi que realmente aquela moeda só poderia ter caído da bolsa da moça que estava sentada ao meu lado. Tudo isso não passou de segundos, entre eu conferir as moedas do meu bolso e conceber que aquela moeda não me pertencia. Pensei rapidamente:- Deve ter sido quando ela abriu a bolsa... Uma moeda resolveu ficar... Por alguns instantes vejo um rapazinho apressado me pedindo licença para sentar ao meu lado e perguntando êxitosamente: - Esta moeda é sua? Eu logo respondi um NÃO seco e quase monossilábico. Caí em mim e lembrei que o tal rapazinho estava sentado atrás de mim e que sua pressa se tratava da tal moeda. Claro, ele tinha visto! Tive a certeza que ele sentou ao meu lado por causa dela. Sim, porque ao meu lado esquerdo ficava a janela do ônibus e justamente no horário das 13:00 horas o sol incide com mais intensidade daquele lado. Não vale a pena ver a paisagem, o calor é insuportável. Naquele horário o sol dar ares de passagem para se por no poente... Por isso a sua incidência torna o calor infernal e o sol de ontem não perdou... Mesmo assim o menino sentou e ficou cozinhando no sol... Torrando literalmente para assegurar que aquela moeda seria sua, somente sua e de mais ninguém... Ele não foi direto. Não a colocou diretamente no bolso e pronto, acho que sentiu vergonha de mim deve ter sido.... Ele preferiu esperar um deslize, um vacilo e pronto seu plano seria perfeito... Ela seria sua... Sua rica cobiça... Eu abaixei a cabeça e reconstei-a no banco da frente... Acredito que tenha achado que eu estivesse cochilando... Mas eu estava vendo tudo... Todos os seu atos... Minuciosamente todos... Ele empurrou a moeda com a ponta dos seus dedos para debaixo do banco e com a mão esquerda a escondeu... Pressionando-a com tanta força como se fosse um tesouro. Como se não pudesse perdê-la... Ele estava apreensivo com a minha presença... Era só nós dois... Mas aquela situação tornou-se excitante para os dois e ao mesmo tempo insuportável... Eu queria ver até onde ele ia e ele queria ser mais esperto, levá-la para o seu destino era o troféu para todo pirata, o seu tesouro... Vi quando ele desceu do ônibus... Cabeça baixa, olhar assustado... Não ganhamos... Perderam-se os dois... Eu porque excitei-me com angústia daquele rapaz e ele por desejar algo que não lhe pertencia... Não sempre ganhamos todas as partidas...

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Timidez

Basta-me um pequeno gesto,
feito de longe e de leve,
para que venhas comigo
e eu para sempre te leve...
- mas só esse eu não farei.
Uma palavra caídadas montanhas dos instantes
desmancha todos os mares
e une as terras mais distantes...
- palavra que não direi.
Para que tu me adivinhes,
entre os ventos taciturnos,
apago meus pensamentos,
ponho vestidos noturnos,
- que amargamente inventei.
E, enquanto não me descobres,
os mundos vão navegando
nos ares certos do tempo,
até não se sabe quando...
e um dia me acabarei.

Cecília Meireles

Em AnGola...


quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Torta Alemã

Ingredientes
200g de mateiga
1 xícara (chá) de açúcar
1 lata de creme de leite
1 pacote e meio de biscoito de leite e mel
Cobertura
1 tablete de chocolate meio amargo
1 lata de creme de leite
Modo de preparo
Bata a manteiga e o açúcar até esbranquiçar. Misture delicadamente o Creme de Leite e reserve. Forre um recipiente refratário quadrado (21 x 21cm) com papel de alumínio. Faça uma camada de Biscoitos embebidos no leite e por cima coloque uma camada de creme. Vá alternando as camadas, terminando com o creme. Leve à geladeira por cerca de 4 horas.
CoberturaAqueça o Creme de Leite em banho-maria, junte o Chocolate picado e mexa até obter um creme liso e homogêneo. Reserve. Desenforme a sobremesa sobre um prato de servir e espalhe a cobertura alisando bem. Volte à geladeira para gelar um pouco e sirva a seguir.
Rendimento : 10 porções

SÓ Pra VaRIARSÓprAVaRIar

Tem que acontecer alguma coisa neném.
Parado é que eu não posso ficar
Quero tocar fogo onde bombeiro não vem
Vou rasgar dinheiro, tocar fogo nêle, só prá variar
Antes d'eu me confessar pro padre, neném, vou comer 3 quilos de cebola
Ver de perto o papa, ai, que luxo, meu bem
Vou rasgar dinheiro, tocar fogo nele, só prá variar
Pena não ser burro ... Não sofria tanto ...
Essa noite eu vou dormir ... Botar as manguinhas de fora ...
Dizer que eu estou chegando, botando prá quebrar
Vou jogar no lixo a dentadura, neném.
Vou ficar banguelo numa boa
É que eu vou fundar mais um partido também!
Vou rasgar dinheiro, tocar fogo nele, só prá variar
Diz que o paraíso já tá cheio, neném.
Vou levar um lero com o diabo
Antes que o inferno fique cheio também
Vou rasgar dinheiro, tocar fogo nele, só prá variar

Raul Seixas / Claudio Roberto

...a CaRta...


Liberta-se e lanças ao teu universo... Chegou a hora de ser alguém... Tudo é realidade, pequena! Não chora não!!! Você já pode pousar em terra firme... São tempos de calmaria... Aproveite o dia! Hoje você é o pão e a palavra... Você ganhou asas e já pode voar sozinha! Foram tantos anos, mas parece que foi ontem! Você queria ganhar o mundo em poucos segundos... Não podia perder tempo... Até aparece que foi assim mesmo? Você gozou dos prazeres que o mundo lhe ofereceu e se esqueceu do que você havia dito para si mesma... Mesmo assim, eu te perdoo... Você me surpreendeu a cada momento, sempre com o seu sorriso... Com o último grito... Aquela voz ecoava sons da juventude, da rebeldia... Hoje te vejo passar com o mesmo nariz arrebitado ansejando novos mundos... A rebeldia não lhe falta... Apenas o universo é pequeno para tuas ambições... Quantas lágrimas foram derramadas?Alívio da dor ou da esperança? Isso nunca te faltou... Alguns caminhos foram turvos... Driblou todos... Soubeste se perder e se achar nesse mundo de fantasias... Fizeste deste mundo o seu espaço de esperança, a sua poesia, a tua apoteose, a tua verdade... A cadência dos teus passos lhe propõe novos horizontes... Siga sempre em frente, mas não esqueça das antigas estradas! Elas sempre servirão para se chegar a algum destino... Aquele abraço!
Texto: Soraia Monteiro

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

AmazôNia, amaZôniAs...

(...)
“Não é difícil vermos aqui o ‘perigo verde’ substituir o ‘perigo vermelho’ e as organizações não-governamentais os ‘comunistas’. p. 169
(...)
“Assim o destino da Amazônia, particularmente daquela Amazônia real, e não aquela das imagens, dependerá do modo com que cada brasileiro for capaz de, antes de mais nada, reconhecer que a Amazônia não é desconhecida, como costuma se falar. Ao contrário, é conhecida por diferentes populações com múltiplas matrizes culturais, que forjaram suas vidas na convivência com esses ecossistemas e que, hoje, se apresentam para o diálogo político exigindo direitos e não favores; que descobriram os caminhos que lhes permitem falar com o mundo, sobretudo quando os ‘de dentro’ tentam silencia-los; que sabem, por experiência própria, que a sobrevivência de um seringueiro/castanheiro no Acre ou no Amapá, ou de uma quebradeira de coco de babaçu no Maranhão ou Tocantins, de um agrossilvicultor e de suas cooperativas em toda parte, depende de uma reforma do Estado que incorpore os ‘de baixo’ nas políticas públicas, seja pelo fortalecimento dos vínculos com o Inpa ou da Embrapa coma cultura regional, seja com o Banco do Brasil financiando a castanha ou o babaçu, por meio de cooperativas agroextrativistas, ou que a importância de óleo de mercado vegetal ou de borracha, por exemplo, não se faça em nome de uma abertura de mercado irresponsável e abstrata que ignora essas realidades.Há uma contribuição inequívoca que esses segmentos sociais trazem a todos e é necessário que afirmemos que o que está sob o perigo de extinção na Amazônia não são só as espécies vegetais ou animais mas, sobretudo, a extinção de leituras de mundo, de modos de agir, pensar e sentir.
(...)
Assim, é preciso trazer ao debate a questão da autonomia, não como idéia de território autônomo que, nesse caso, privilegia uma de suas dimensões, a geográfica, sem dúvida importante, mas que elude a outra dimensão, a esta intimamente ligada e que, também, como nos ensinam os gregos, diz respeito àqueles que se dão – auto – as próprias regras – nomos. É isso, no fundo, que queremos sugerir ao debate da/sobre e, sobretudo, com a Amazônia. Em outras palavras, que entre os que vão se dar as suas próprias regras (nomos), suas próprias normas, se inclua os que até aqui foram excluídos e entre esses, sem dúvida, estão os ‘de baixo’, os amazônidas dessas múltiplas Amazônias.” p. 169-170
GONÇALVES, Carlos Walter Porto. Amazônia, Amazônias. São Paulo: Contexto, 2001.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Oh...linda!!!! OlidAAAAAAAAAA...Tô Chegando!!!

SerRadO

Se o Senhor me for louvado Eu vou voltar pro meu Serrado
Por ali ficou Quem temperou o meu amor E semeou em mim essa incrível Saudade
Se é por vontade de Deus,Valei...Valei!

Se pedir a Deus pelo meu prazer
Não for pecado
Vou rezar pra quando eu voltar
Rever todas as brincadeiras do passado Cortejar meu Serrado

E em dia feriado,Viva o cordão azul encarnado!
Eu sei, serei feliz de novo Meu povo, deixa eu chorar com você Serei feliz de novo, Meu povo, deixa eu chorar com você

Djavan 1979.

SeR CriAnça EteRnaMente...




segunda-feira, 10 de agosto de 2009

CarTilha soBre AgrOecolOgia

Uma cartilha produzida pelo Ministério da Agricultura sobre agroecologia teve sua distribuição impedida. A cartilha "O Olho do Consumidor", que conta com ilustrações de Ziraldo, foi lançada para divulgar a criação do "Selo do SISORG" (Sistema Brasileiro de Avaliação de Conformidade Orgânica) que pretende padronizar, identificar e valorizar produtos orgânicos, orientando o consumidor.
O livreto, que teve tiragem de 620 mil cópias, foi objeto de uma liminar de mandado de segurança, fruto de ação movida pela transnacional Monsanto, que impediu sua distribuição. Setores do Ministério ligados ao agronegócio também não ficaram contentes com as informações contidas na cartilha. O arquivo foi inclusive retirado do site do Ministério.
A proibição se deu por conta do item 5 da página 7 (imagem ao lado), onde se lê:
"O agricultor orgânico não cultiva transgênicos porque não quer colocar em risco a diversidade de variedades que existem na natureza. Transgênicos são plantas e animais onde o homem coloca genes tomados de outras espécies".
Em autêntica desobediência civil e resistência pacífica à medida de força, o MST se junta a todos aqueles que estão distribuindo eletrônicamente a cartilha. Se você concorda com esta idéia, continue a distribuição para seus amigos e conhecidos.
Baixar a cartilha:
www.slideshare.net/.../cartilha-ziraldo-1787509
www.mda.gov.br/saf/arquivos/0709110873.pdf

TOrta de RicOta com GoiAbada

IngReDientEs

200 g de bolacha maria
100 g de manteiga sem sal
500 g de ricota fresca
3 ovos
1 lata de leite condensado
100 gr de goiabada
1 colher de chá de essência de baunilha
1/4 colher de chá de raspas de casca de limão
1 pitada de sal

MoDo de PrEparO

Triture as bolachas no liquidificador e coloque em uma vasilha
Derreta a manteiga e acrescente à bolacha triturada
Unte uma forma redonda de 25 cm com manteiga e forre o fundo da forma com a mistura da bolacha
Reserve
No liquidificador coloque os ovos, o leite condensado, a baunilha e a ricota
Bata até obter um creme liso
Depois acrescente a raspa de limão e o sal
Despeje esse creme sobre a massa de bolachas na forma
Leve ao forno pré-aquecido na temperatura média e asse por 40 minutos
Para saber o ponto da torta, balance levemente a forma e o centro da torta parecerá mole, ele balançará como se fosse gelatina
Retire do forno e deixe esfriar
Em uma panela coloque a goiabada e acrescente um pouquinho de água e leve ao fogo até obter a textura de geléia
Despeje em cima da torta como cobertura
Leve a geladeira por 4 horas

Depois é só se deliciar com esta maravilha!!! Bom apetite!!!

RaiN...

video

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Seu eu pudesse...

Ah, seu eu pudesse desculpar o mundo pelos meus deslizes... Se eu pudesse viver outra vez... Se pudesse... Eu teria mais força, quanto tú tens... Mulher mãe ou Mãe mulher?
Força vital da mãe terra...
Mãe de Davi, do menino amado, forte e protetor...
Quantos caminhos irá trilhar para guerriar e proteger a tua cria?
Serás sempre a mulher com cara de menina?
Onça pintada, olhar fulgaz...
Tuas raizes fincam no solo para brotar o amanhã...
Hoje para tú é o sempre... Abra a janela e deixe o sol bater...
Deixe a maré te levar...
Nunca é tarde para viver nem para amar...
Sempre é tempo para pedir desculpas... Sempre...
Mãe terra, mulher elemento natural...
Ventre de aço, que deu a vida ao menino estrela...
Morena ferina do mar Adriático...
Voltaste a vida para aprender ser mãe...
Morena vida, mulher estrela...

Texto: Soraia Monteiro.

Adriiiiiiiiiii, desculpaaaaaaaaa... Foi um deslize... Eu esqueci teu aniversário... Essa é poesia é sua! Milhões de beijos!!! Te amo amiga!!!

MeNina pé de MussUrunga...

Menina da cor do sol... Cachos dourados... Terra sem fim...
Menina cheiro de alecrim...
Contemplas o mundo sorriso largo...
Vai olhar o mar e sente a brisa da manhã...
Olhos cor de mar... Às vezes cor de mel...
Menina elétrica, faceira, dengosa...
Desce da árvore que a banda passa em teu quintal...
Vem ver a banda passar...
Mostra para o mundo menina girrasol a tua luz...
Olha, olha a banda passa...
Menina cheiro de mar das areias de Itapuã...
Tome uma cerveja em Juvená e venha tocar seu violão...
Menina da terra do cajú... Menina de Maruim...
Vinheste a Salvador colorir o mundo e trazer a sua poesia...
Menina leoa do mês de agosto...
Venha cá e toque para nós a sua alegria... Vem...
Faça o seu samba numa só poesia...
MeNina pé de mussUrunga... Espécie tão rara quanto tua amizade...
Saia para rua e mostre tua beleza...
Menina dos cachos de bem me quer...
Menina cometa... Raio de luz
Alcance outros planetas com o seu olhar...
Menina, venha cá menina... Saia para mundo que o tempo é curto e a noite já vem...
Texto: Soraia Monteiro
Feliz aniversário Drielly... Seja feliz todos os dias!!!

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Brinde a chuVaaaaaaaa!!!!

Faz muito tempo que eu não tomo chuva
Faz muito tempo que eu não sei o que é me deixar molhar
Bem molhadinho, molhadinho de chuva
Faz muito tempo que eu não sei o que é pegar um toró
De tá na chuva quando a chuva cair
De não correr pra me abrigar, me cobrir
De ser assim uma limpeza total
De tá na rua e ser um banho
Na rua
Um banho
De ser igual quando a gente vai dormir
Que a gente sente alguém acariciar
Depois que passa o furacão de prazer
Ficar molhado e ser um sonho
Molhado
Um sonho
Eu vou dormir (enxutinho)
E acordo molhadinho de chuva

Sonho Molhado: Gil Gilberto

Só mAis um pOuco...

Fomento, ansejo, imploro cada vez mais... Só mais uma... Só...
Prometo, foi a última, só mais essa...
Não consigo, não controlo, não resisto... É mais forte do que eu...
Ela é linda, ela é loura e me fascina...
Sempre prometo que vai ser a última vez... Conversa fiada...
Falo que não vou mais procurá-la, sinto raiva no outro dia, fico mal... São apenas promessas do dia seguinte... Ou testemunhos da última noite?
No dia seguinte, lá vou eu com o rabinho entre as pernas não resistindo ao seu chamado...
Faz charme... Seduz... O tempo inteiro... Produz sensações maravilhosas quando nos encontramos... Quantos efeitos em minha mente... Inesquecíveis? Quem sabe? Esquecíveis? Pode ser... Secretos? Quem sabe libertos? Quem vai saber...
Depende da intensidade do encontro...
Maldita, pérfida, ordinária...
Brejeira... Gelada... Sinto sede...
É o último gole... A saideira... Acredite!
Só mAis um pOuco... Só mais um...
Ô amiga breja...
Por que fazes isto comigo?
Prometo, prometo mas não resisto...
Sempre a mesma história... Segunda-feira eu compenso na esteira... Tudo vai ser diferente!
São apenas promessas...
Mas sem você o que seria das sextas-feiras? Sem graça acredito!
Tudo perde a graça... Tudo fica menos colorido...
Uma cerveja bem gelada para cada leitor!!! Tchauuuuu...
Texto: Soraia Monteiro.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

É proibido PROIBRIR!

É PROIBIDO proibir! Decreto! Neste espaço não existe proibição... Aqui podemos voar e levar nossa imaginação, o nosso corpo, os nossos sentidos chegarem aonde quiser!!! Vamos viver a arte e fazê-la como o nosso meio de expressão... Atenuar nossas angustias, aflições e amarguras... Vamos permití-la!!! Este é o meu decreto! Por isso revelo para vocês a minha velha mania e explico o por quê do nosso tema: Proibido proibir... Hoje, ao sair do trabalho liguei o meu radinho como de praxe. Já é uma mania... Sair do trabalho e colocar o meu fone para escutar uma rádio em especial. Não sei porque, mas ainda guardo essa mania do meu pai, escutar rádio... Ouço várias coisas: música, coisas engraçadas e coisas trágicas... Faz parte da brincadeira. Mas hoje, eu escutei um desabafo que me chamou atenção... A telespectadora trazia um assunto interessante: a questão do fumo em Salvador. Vocês já sabem que outro dia eu escrevi sobre a questão da proibição ao tabagismo na cidade de São Paulo... Contudo, esta matéria me chamou a atenção porque se tratava da proibição do uso do cigarro em salas de arte, em particular da minha cidade; sobretudo, a relação do Estado quanto ao seu uso. A matéria dizia o seguinte: que ficaria terminantemente proibido o uso de cigarros em teatros, sendo assegurado por uma liminar do Ministério Público e com o aval do próprio Estado da Bahia... Bom, se você pensar no teatro como um local fechado, tudo bem. Mas a questão ia muito além do que imaginamos... Ficaria proibido a qualquer tipo de uso do mesmo nestes locais. Ou seja, um espetáculo teatral não poderia se utilizar do tal bendito... Um ator não poderia interpretar um personagem fumante. Ou melhor, o ato do seu personagem fumar em uma peça teatral ficaria proibido!!! Melhor dizendo, do mesmo fazer qualquer tipo de menção ao uso do tabaco. O ato de fumar em um teatro, por se tratar de um espaço fechado limitaria a arte da interpretação! Seria mais uma voz emudecida... Que incoerência, meu deusssss... Tamanha ignorância!!! Quem não quiser que não vá ao teatro assistir tal peça, mas proibir... É demais... É limitar a liberdade de representar... Resumindo, no mundo do faz de contas, da hipocrisia importamos posturas "politicamente corretas", aculturadas e sem criticidade alguma. O que é uma pena! Pois preferimos viver na falácia, na negação... Um verdadeiro extermínio a liberdade de expressão e ao diferente! Somos seres diversos e distintos... Temos direito de ser e fazer o que quisermos. Nosso corpo é o nosso espaço, o nosso templo. Embora, este espaço venha sido constantemente limado por pequenas ações... O que é muito perigoso... Hoje proibi o cigarro, amanhã o uso da bebida alcóolica, de comer fritura, o uso saia curta, ou de ser de outra religião que não seja as tais "politicamente corretas", ou por possuir outra orientação sexual, que não o heterossexualismo... E aí vamos... Sendo censurados pelas beiradas... Em doses homeopáticas... Uma pulga atrás da orelha de cada leitor! Tchau!

BoBbbbbbbbbbbbbbbbbbb esponjaaaaaaaaaaa...


Falta de EDUCAÇÃOOOOOOOOOOOOOO...

Gente mal educada é uma espécie evidente nos dia de hoje. Basta sair de casa que logo-logo você dá de cara um alguém assim... Pensem comigo: Você sai de casa e dá um bom dia ao entrar no elevador e o que você ouve? Você ouve alguma coisa? Ou somente um eco que exala da sua própria voz dizendo: bommm diaaaaaaaaaa... kkkkkkkkkk... Sua voz soa uníssino com você mesma e mais ninguém. E acreditem isso é a coisa mais comum de acontecer. Quer apostar que vai ter gente que vai se irritar com a sua educação ou até mesmo lhe taxar como maluca? Por que acordar em plena manhã de segunda-feira com bom humor, para muitos só pode ser coisa de gente que não tem o que fazer... Creiam, mas essa é a pura verdade. As pessoas se irritam com tudo... Tudo mesmo! Até pedir licença se tornou um ato perigoso... Afffffffff... Pode gerar atos de ira, fúria, coisas deste tipo com o próximo, ou seja, corremos risco o tempo todo. Eeeeee... Jogar papel na lixeira, em Salvador, raridade meus caros... Tudo aqui vai da janela abaixo, quando não pelo rio abaixo. Oooooo... Trânsito, esse mesmo, o trânsito... 100% agressivo, sem contar com a grande parcela de barbeiros e sem noção, tudo vai de vento em popa... Ah, e os homens que urinam nas esquinas... Ecaaaaaaaaa... Tudo normal, amiguinhos em Salvador podeeeeeee, pode tudo! Por isso que eu digo:- Aqui tudo termina em axé, tudo é opaí o´... Eu estou ferrada por completo! Por que eu adoro acordar e dá aquele bom dia para que tudo comece bem e a energia flua tranquilamente. Odeio gente mal humorada, principalmente gente mal educada. Gente porca, nossaaaa!!! É o fim!!! Não consigo admitir que pessoas joguem latas, palitos de picolé, sacos pláticos e etc, pela janela, sobretudo nas janelas de veículos automotores, o que pode ocasionar grandes acidentes. Muito menos, tratar o lixo de qualquer jeito, sem pensar em reuso, reciclagem ou na sua melhor adequação em aterros sanitários... Sinceramente, eu não consigo compreender a que ponto as pessoas chegaram... Sei que vivemos em uma grande capital; que nos tornamos pessoas extressadas, que as grandes capitais estam se tornando locais insuportáveis para se morar, mas não são por esses motivos que devamos nos tornar pessoas amargas e inerentes com o próximo ou com nossa cidade. Um pouco de bom senso melhora muito o stress do dia-dia, aumenta o contato com o outro e nos permite reavaliar os pontos negativos de tais atitudes. Então levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima... Beijoquitas em todos, até a próxima!!! Tchauuuuuuuuuu...

domingo, 2 de agosto de 2009

ES-PE-RAN-ÇA...

Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E— ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança...
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA...

Mario Quintana

...RecoMEÇO...


Eu quero me surpreender todas as manhãs... Pois cada dia é um novo começo... Quero sentir o vento... Quero sentir as ondas baterem sobre meu corpo... Caminhar mais, mais e mais... Não sei onde vou chegar... Só sei que chegarei em algum lugar, mas que importância tem isso? O que importa é que todos os momentos sejam vívidos, plenos, verdeiros... Viver cada dia como se fosse o último... E todo dia será um recomeço! Clareza, sensatez e equilíbrio para encarar os desafios... São muitos... Mas não são eles que nos dão sentido, nos fazem pulsar, desejar, desafiar nossos limites? Enigmas para poder desifrá-los... Ou talvez a curiosidade de uma criança para me supreender com cada nova descoberta. Ser uma palhaça para tornar a tragédia em algo suportável, sutíl e ainda conquistar muitos sorrisos e lágrimas... Emocionar pessoas... Intensidade... Ser um sol para iluminar as lindas manhãs... A linda melodia que embala tantas vidas... Ter o dom de amar... SEr humana em todos os sentidos... RaZão, mEnte e emoÇÃO, sempre!!! sER sempre morena e o seu mundiNHO... Para refazer a cada dia a minha história! Embarquem nessa viagem... Bom domingão a todos!!!